Realiza Cuesta fortalece empreendedores da Economia Criativa na região da Cuesta Paulista

REALIZA CUESTA

Em setembro de 2021, o Instituto Jatobás em parceria com o SEBRAE, deu início a 2° edição do  Realiza Cuesta, iniciativa que tem como missão  apoiar 14 empreendimentos da Economia Criativa da região da Cuesta Paulista, em São Paulo, por meio da  Jornada de desenvolvimento integrado com duração de seis meses, além de um  prêmio de até R$5.000,00 no final do percurso. 

Clique aqui para saber mais sobre os critérios do edital Realiza Cuesta.

“A Jornada do Realiza Cuesta é uma jornada integrada, que olha para as habilidades técnicas necessárias ao empreendedor e também para o desenvolvimento do potencial humano. Através de mapas de perfil individuais e do grupo, nós customizamos conteúdos e práticas que possibilitam o trabalho de reconhecimento e ampliação dos potenciais individuais e coletivos”, conta Lígia Carnicelli, responsável pela área Jornadas dos Agentes Transformadores do Instituto Jatobás. “Nosso objetivo é que os participantes saiam conscientes de seus papéis nas suas relações e nas suas comunidades e possam impactar a região de maneira positiva através de seus negócios de economia criativa”, completa.

REALIZA CUESTA                                         Encontro realizado em outubro de 2021 na Fazenda dos Bambus em Pardinho-SP

Durante a Jornada, que encerra em abril deste ano, os empreendedores passarão por oficinas para o desenvolvimento do potencial humano e o aprimoramento das competências e habilidades técnicas. Também serão oferecidas mentorias individuais e capacitações em temas como: comportamento empreendedor, modelo de negócio, plataforma Canva, pesquisa de mercado, jornada do cliente, gestão financeira, fontes de financiamento, marketing e comunicação, formalização e encontros de fortalecimento de rede etc. 

O Realiza Cuesta evidencia os profissionais que atuam dentro da Economia Criativa, para que eles possam ter uma jornada de desenvolvimento no seu trabalho. Porque a gente sabe a dificuldade que é empreender. Não só financeira, mas emocionalmente é um desafio enorme e a jornada permite que eles tenham um preparo,” conta Vitor Souza, responsável pela economia criativa do Instituto Jatobás.

Mapeamento da Economia Criativa

Em agosto de 2021, o Instituto Jatobás realizou o primeiro mapeamento da Economia Criativa, feito a partir da escuta de profissionais da área da cultura da região da Cuesta Paulista. 

“Por meio do mapeamento nós conseguimos entender um pouco sobre o perfil dos empreendedores e artistas da região, qual  a idade, quais são as principais necessidades e os maiores empecilhos na hora de desenvolver seus projetos ou negócios”, ressalta Vitor Souza.

De acordo com Vitor, o mapeamento garante a inclusão da Cuesta como uma área de desenvolvimento criativo, permitindo que empresas, investidores e instâncias governamentais possam agir e garantir as estruturas necessárias para o crescimento econômico e social de toda região. 

O que é?

A principal matéria-prima da Economia Criativa é o capital intelectual. Os empreendedores desse segmento criam produto e/ou serviço, como ferramentas para o desenvolvimento econômico, social e cultural da sociedade.

A Economia Criativa é dividida em quatro áreas:  

  • Consumo: design, publicidade, marketing e moda;
  • Cultura: expressões culturais, patrimônio e artes, música e artes cênicas; 
  • Mídia: editorial e audiovisual;
  • Tecnologia: P&D (Pesquisa e Desenvolvimento), bibliotecologia e TIC (desenvolvimento de softwares, sistemas, consultorias etc).

Segundo um estudo nacional realizado pela FGV em parceria com a Secretaria de Cultura e Economia Criativa e o Sebrae, em 2020 foram gerados pela Economia Criativa 1,5 milhões de empregos, atingindo a participação de 3,9% do PIB do Estado. No Brasil, o setor é responsável por 4,9 milhões de trabalhos criativos na economia mundial. 

 

Confira os selecionados para a 2ª edição do Realiza Cuesta

IJ BLOG REALIZA CUESTA SELECIONADOS

No dia 20 de outubro de 2021, a Comissão de Avaliação do Edital Realiza Cuesta – 2ª Edição, se reuniu para definir os projetos aprovados para o programa.

A mesa foi composta por profissionais do Instituto Jatobás, SEBRAE e especialistas da Economia Criativa que avaliaram cada projeto de acordo com os critérios dispostos no Regulamento, atribuindo notas que ao final foram somadas e definiram os 15 selecionados para a jornada de empreendedorismo e desenvolvimento do potencial humano que será realizada pelo Instituto Jatobás em parceria com o SEBRAE.

Confira a lista dos projetos selecionados abaixo:

  • Inklusive
  • Mocó dos Mita
  • Verd+
  • GARAGE – Espaço de Cultura
  • anDanças pela Cuesta.
  • Violas tropreira
  • Arte em Prática – assessoria para artistas
  • Arte de Rua – Graffiti
  • Aulas de Costura Criativa
  • CARLOS LIMA PRODUCOES
  • Marcelo Naudi
  • Zukultura Produção Cultural
  • Berrante Produções
  • Juruna Carvalho Luthier
  • na goma

Para saber mais sobre as notas, a lista de suplentes e o segmento dos projetos, acesse a ata da Comissão de Avaliação clique aqui.

Sobre o Realiza Cuesta

O Realiza Cuesta é um programa desenvolvido pelo Instituto Jatobás, que visa apoiar empreendedores por meio de uma jornada integrada com atividades para o aprimoramento das competências e habilidades técnicas e o desenvolvimento do potencial humano, que inclui metodologias ágeis de conhecimento prático para o fortalecimento de seus negócios, desenvolvimento do potencial humano e conexão em rede de parceiros. Saiba mais sobre a segunda edição aqui

Instituto Jatobás inicia Jornadas de desenvolvimento com líderes da Cuesta Paulista

JornadaLideres Cuesta

O Instituto Jatobás iniciou a Jornada de Líderes para integrantes do grupo de governança e planejamento do Programa Sebrae de Turismo, implementado na região da Cuesta e realizado pelo Sebrae SP em parceria com o Polo Cuesta.

A Jornada de Líderes tem como objetivo colaborar para o trabalho de governança, aperfeiçoamento das capacidades de liderança e cocriação do grupo, por meio do desenvolvimento humano e do aprimoramento de competências e habilidades técnicas.

A primeira turma é composta de 25 participantes entre gestores públicos, empresários, secretários de turismo e cultura dos municípios de Avaré, Bofete, Botucatu, Itatinga, Pardinho, Pratânia e São Manuel.

“Acreditamos no potencial deste grupo e na sua atuação colaborativa, com busca ativa de soluções conjuntas, de maneira consciente e efetiva para promover mudanças positivas no território da Cuesta Paulista. E já temos programação para outras turmas de lideranças em 2022.”, afirma Madalena Carneiro, Coordenadora de Desenvolvimento Regional do Instituto Jatobás

O primeiro encontro aconteceu no dia 05 de outubro na Fazenda dos Bambus. Durante todo o dia, os participantes realizaram atividades que envolveram o fortalecimento do trabalho colaborativo e criação de um espaço seguro de aprendizagem. Juntos levantaram valores importantes e exploraram características individuais e coletivas relacionadas à liderança através da análise de seus perfis pessoais.

“Participar do primeiro encontro da Jornada foi uma experiência incrível de autoconhecimento e de aproximação com a governança da região dos municípios que compõem o Polo Cuesta. Certamente ela nos proporcionará o fortalecimento individual, das instituições  e do grupo contribuindo para o estabelecimento de relações entre os atores de maneira integral,  sistêmica e comprometida com o desenvolvimento da região” afirmou  Eduardo Nascimento Jesus, gerente do Sebrae Botucatu.  

Durante 60 horas de atividades, serão trabalhados conteúdos nas esferas das experiências e comportamentos individuais e também as relações do indivíduo e do grupo com suas comunidades, territórios e região, de forma que se tornem agentes ativos na construção de uma trilha coletiva, solidária, sustentável e próspera. 

“A Jornada vem de encontro com o que estamos realizando no Polo Cuesta e nos sentimos muito gratos em participar e na conexão de atores do ecossistema do turismo da região. Nesse momento de capacitação, poderemos compreender como cada representante poderá contribuir para essa cadeia produtiva do Turismo.” diz Thiago Henrique Donini, Diretor Executivo do Polo Cuesta.

A Jornada de Líderes segue até o primeiro semestre de 2022, com encontros presenciais e virtuais e participação de convidados dentro das temáticas de conhecimento propostas.

A atuação do Instituto Jatobás na região da Cuesta Paulista

O potencial turístico e criativo de uma região é um dos fatores que podem potencializar o desenvolvimento e crescimento econômico e social de um território, fortalecendo a sociedade e transformando a vida de milhares de pessoas.

Com essa crença, o Instituto Jatobás, que atua na cidade de Pardinho há mais de 15 anos promovendo a cultura raiz, o bem-estar e apoiando as políticas públicas, ampliou suas ações com o objetivo de fomentar o desenvolvimento territorial de toda a região da Cuesta Paulista. Para isso, o Instituto busca apoiar o fortalecimento da governança, da articulação entre atores relevantes da região e das conexões em rede para viabilizar projetos e o fomento à cadeia da Economia Criativa.

Em agosto de 2021, o Instituto, em parceria com o Instituto Locomotiva e a Giallo Marketing, lançou o primeiro Mapeamento da Economia Criativa da Cuesta Paulista, que buscou compreender as potencialidades e identificar oportunidades em toda a cadeia da Economia Criativa da região.

As ações de fomento foram iniciadas em 2021 e estão previstas ampliações para o ano de 2022.

Inscrições para o Programa de desenvolvimento empreendedor Realiza Cuesta

BannerBlog RealizaCuesta

Do dia 22 de setembro até 12 de outubro de 2021 estão abertas as inscrições para a 2ª edição do Realiza Cuesta, programa desenvolvido pelo Instituto Jatobás com o intuito de fortalecer a cena empreendedora da região da Cuesta Paulista.

O programa tem como objetivo apoiar empreendedores por meio de uma jornada integrada, aliando o aprimoramento de competências e habilidades técnicas e de negócios ao desenvolvimento do potencial humano e conexão em rede. A nova edição conta novamente com a parceria do SEBRAE e apoio do Polo Cuesta, que promoverá encontros com seus especialistas e trará conteúdos focados em negócios e empreendedorismo.

Os participantes selecionados terão acompanhamento durante seis meses sobre os temas de marketing e comunicação, jornada do cliente, gestão financeira, modelos de negócios, pesquisa de mercado, portfólio, entre outros. Os encontros contarão com oficinas coletivas, consultorias individuais e conversas com atores do ecossistema empreendedor e de inovação.

Ao final, os negócios receberão aportes entre R$1.500 e R$5.000, de acordo com a sua evolução durante o período do programa. A avaliação de desenvolvimento será realizada por uma Comissão Avaliadora que fará a análise de todos os negócios no início e ao final da jornada, julgando assim quais tiveram maiores evoluções durante o período.

Quem pode participar

Podem se inscrever para o processo seletivo pessoas físicas ou jurídicas que empreendem soluções com sustentabilidade financeira e em estágio inicial (em teste / início de vendas) e que contribuam com o fortalecimento da cadeia da Economia Criativa e com a valorização cultural. Também é necessário que atuem em um dos seguintes segmentos:  música; produção cultural e eventos; teatro, circo e dançae artesanato.

Os interessados devem, obrigatoriamente, ser residentes e/ou ter negócio localizado em um dos seguintes municípios da região da Cuesta Paulista: Anhembi, Areiópolis, Avaré, Bofete, Barra Bonita, Botucatu, Conchas, Itatinga, Lençóis Paulista, Paranapanema, Pardinho, Pratânia, São Manuel e Torre de Pedra.     

A participação será gratuita aos selecionados. As inscrições seguem até o dia 12 de outubro de 2021 e não haverá prorrogação. Acesse o site para conferir o regulamento completo e fazer sua inscrição: bit.ly/realizacuesta2021 

Apoie o Max: Centro Max Feffer abre inscrições para programa de voluntariado

CMFCS BLOG SITE APOIE O MAX

O Centro Max Feffer lançou hoje (31/08) uma campanha de voluntariado com o objetivo de estimular a comunidade Pardinhense e arredores no envolvimento de manutenção e preservação do espaço que há mais de 10 anos promove atividades artísticas, culturais e de bem-estar, de forma gratuita, sendo referência em toda a região da Cuesta Paulista.

O programa será contínuo, ou seja, durante todo o ano será possível se inscrever para apoiar as atividades e projetos do Centro Max Feffer. No caso de aberturas de funções específicas como apoio a eventos culturais (como shows), a chamada será anunciada por meio dos canais oficiais do centro (site, redes sociais e newsletter).

Para ser voluntário é necessário ter a partir de 18 anos, gostar de trabalhar com pessoas, ter fácil acesso à cidade de Pardinho (SP) e disponibilidade para pelo menos um dos horários determinados. Todas as atividades relacionadas até o momento fazem parte da rotina presencial.

Clique aqui e leia a matéria completa no site do Centro Max Feffer.

Evento marca o lançamento do 1º Mapeamento da Economia Criativa – Cuesta Paulista

Foto Evento Mapeamento EC

Realizado pelo Instituto Jatobás e correalizado pela Giallo Marketing e pelo Instituto Locomotiva, o 1º Mapeamento de Economia Criativa – Cuesta Paulista buscou mapear, identificar oportunidades em toda a cadeia da Economia Criativa local e compreender o perfil e a dinâmica de atuação dos profissionais e empreendedores criativos e culturais.

Com a publicação inédita, a proposta do Instituo Jatobás é promover uma mobilização e apoiar a criação plano estratégico que potencialize a geração de trabalho e renda e promova o desenvolvimento regional.

A pesquisa lançada em 13 de agosto de 2021 reuniu, em ambiente controlado, equipe e personalidades relevantes e influentes dos órgãos públicos, privados e de terceiro setor que atuam nos setores de cultura e economia da região da Cuesta Paulista.

Durante 3 horas foram apresentadas as principais descobertas do mapeamento e discutido as potências da Economia Criativa no Brasil e no mundo, inspirando os espectadores.

Apresentações focaram nos resultados e na potência da Economia Criativa

Todos os olhos estavam atentos e voltados para os resultados da pesquisa, que foram trazidos pela especialista em Gestão e Produção Cultural e fundadora da Giallo Marketing, Luanda Bonadio. A também coordenadora da pesquisa apresentou o contexto regional, compartilhando o processo de busca, pesquisa e análise realizado durante o último ano e os dados em destaque sobre o perfil dos respondentes. Em sua fala, Luanda salientou os potenciais da região em principalmente em áreas como a música, a produção cultural e de eventos e as artes cênicas.

Confira alguns destaques comentados sobre o perfil dos profissionais do setor na região:

  • 82% dos respondentes consideram a atividade artística como uma profissão;
  • 44% atuam tanto como artistas como agentes da cadeia produtiva;
  • 39% possuem MEI para atuar na área artística/cultural;
  • 53% atuam com música e 41% com produção cultural e eventos.

Em seguida, a convidada especial Ana Carla Fonseca (Cainha), falou sobre “Pequenas Cidades Grandes Oportunidades e Inspirações”. Cainha é fundadora da Garimpo de Soluções, que foi parceira no Mapeamento, e referência nas temáticas de Economia Criativa, Cidades Criativas e Negócios Criativos.

“Sou defensora das pesquisas, mapeamentos, coletas de dados. Se a gente não tem dados é difícil a gente não ficar patinando. Precisamos deles (os dados) para saber se as coisas estão funcionando e para onde queremos ir. Infelizmente no Brasil esses dados sobre a Economia Criativa são raros. Parabéns por esse ‘atrevimento’ (de realizar o mapeamento) com tamanha envergadura” comentou no início de sua fala.

Foto Evento Mapeamento EC Cainha

Ana Carla apresentou o que tem visto de interessante e inspirador em cidades de pequeno porte, como as da região da Cuesta Paulista, e quais movimentos estão acontecendo na Economia Criativa desses locais. “Dos mais de 5 mil municípios do Brasil, apenas 665 tem mais de 50 mil habitantes. A Economia Criativa não é restrita a esses grandes centros, a efervescência, a diversidade. Estamos nos convencendo que é quase o contrário, são cenários diferentes e complementares, e essa riqueza toda que essa região (Cuesta Paulista) traz, se perde em médios e grandes centros, e é algo extremamente precioso.”

A especialista ainda comentou sobre a importância do valor compartilhado, onde há sim o valor agregado ao produto ou serviço, mas também há valorização de toda a cadeia, remunerações justas e soluções pensadas além do criador, para que, desta forma, seja possível manter toda cadeia sustentável de verdade.

O evento também teve a participação de Carlos Alberto Pereira Junior, especialista em História, Produção e Gestão Cultural e articulador regional da FGV. Ele compartilhou suas experiências, inclusive sobre a sua participação no programa “Dá Gosto de ser do Ribeira”, o primeiro focado em Economia Criativa do Brasil.

Download do mapa é gratuito e palestras estão disponíveis no YouTube 

O site com os principais destaques do estudo e o acesso ao estudo completo já está no ar no endereço https://institutojatobas.org.br/mapeamentocuesta 

Para quem não pode acompanhar o evento transmitido online, o instituto disponibilizou os vídeos em seu canal do YouTube. Você pode conferir o evento completo ou as palestras principais separadamente.

 

Assista ao Evento Completo

Assista aos Resultados do 1º do Mapeamento da Economia Criativa com Luanda Bonadio 

Assista a Palestra Pequenas Cidades Grandes Oportunidades e Inspirações com Ana Carla Fonseca

 

Evento apresenta pela primeira vez o cenário da Economia Criativa da região da Cuesta Paulista

evento economia criativa

Resultados do 1º Mapeamento Economia Criativa – Cuesta Paulista serão apresentados em evento online no dia 13 de agosto

No dia 13 de agosto, das 10h30 às 13h, acontece o evento Mapeamento da Economia Criativa da Cuesta Paulista – Resultados e Oportunidades , promovido pelo Instituto Jatobás para apresentar os resultados do 1º Mapeamento Economia Criativa – Cuesta Paulista. 

Realizado pelo Instituto Jatobás e correalizado pela Giallo Marketing e Instituto Locomotiva e com apoio do Polo Cuesta e Sebrae SP, o 1º Mapeamento Economia Criativa – Cuesta Paulista coletou respostas no período de 04 a 25 de abril 2021.

O estudo teve como objetivo primário o mapeamento, compreensão das potencialidades, identificação de oportunidades e fomento do trabalho de artistas, produtores e empreendedores da Cuesta Paulista, em toda a cadeia da Economia Criativa. Como objetivo secundário, o estudo busca fundamentar um Plano de Desenvolvimento e Fortalecimento Econômico Regional. 

“Neste evento iremos compreender melhor a dinâmica e o potencial desse setor produtivo, os pontos a serem desenvolvidos, as oportunidades e os desafios. O estudo servirá de base para todos nós, trazendo informações importantes sobre a cadeia produtiva – artística, cultural e criativa – visando o fomento da cadeia, a promoção da organização em rede para gerar conexões e oportunidades e visibilidade dos agentes que, consequentemente, potencializam a identidade cultural, o reconhecimento local e o Turismo da Cuesta Paulista”, afirma Madalena Carneiro, gestora de projetos do Instituto Jatobás.

Além dos resultados, o encontro contará com a palestra de Ana Carla Fonseca, diretora da Garimpo de Soluções e referência em Economia Criativa, Cidades Criativas e Negócios Criativos, que abordará a Economia Criativa na prática em pequenos municípios, apresentando cases, inspirações e o impacto positivo que gera no desenvolvimento dessas cidades. 

O evento contará com a presença de atores fundamentais do ecossistema da Economia Criativa da região e convida empreendedores, artistas e profissionais do setor, instituições de fomento e interessados no tema para participarem online pela transmissão via YouTube. 

Para participar, inscreva-se no link https://bit.ly/economiacriativanacuesta.

 

Instituto Jatobás compartilha resultados da pesquisa sobre Rede Comunidade de Inovação Social

A importancia da Rede Comunidade de Inovacao Social

Por Mariângela Almeida

Em parceria com CEATS da FEA/USP, o Instituto Jatobás realizou uma pesquisa para mensurar a percepção de valor do programa nos projetos dos grupos, coletivos e organizações participantes da Rede. O Instituto compartilha os resultados do estudo para apoiar instituições que também atuam com esses públicos.

A Rede Comunidade de Inovação Social, iniciativa idealizada pelo Instituto Jatobás, em 2015, tem o objetivo de apoiar e incentivar grupos de pessoas que se sentem impotentes diante da realidade e querem resolver, com soluções sociais inovadoras, desafios socioambientais nos seus territórios.   

Por meio de editais, coletivos e organizações podem se candidatar para fazer parte da Rede, recebendo capacitação, mentoria e apoio financeiro. Desde a criação do programa, foram lançados quatro editais com foco nas regiões mais vulneráveis da cidade de São Paulo. 

A pesquisa de impacto usou, como recorte, as organizações selecionadas pelos editais Divergente Positivo (2017) e Inova ZL, em parceria com a Fundação Tide Setubal (2018). “O que nos motivou a fazer a pesquisa foi a percepção de que, a cada edital de chamamento e durante os processos de implementação, configurava-se uma curva de aprendizagem significativa com mais subsídios para ajustes e continuidade das ações. Queríamos mensurar a profundidade e o tamanho dessa curva e entender o quanto as instituições beneficiadas percebiam o valor da iniciativa”, explicou Ivani Tristan, líder do programa.   

Mudanças e ajustes nos objetivos e no foco das ações sociais 

A maioria dos 22 grupos, coletivos e associações que participaram do estudo está concentrada nas Zonas Sul, Leste e no Centro da cidade de São Paulo, atuando nas áreas de Artes, Equidade e Diversidade, Meio Ambiente, Feminismo, Urbanismo, Empreendedorismo, Segurança e Educação.

Por meio de um questionário, os pesquisadores abordaram diferentes aspectos da Rede, como a troca de experiências, a maturidade dos projetos desenvolvidos e a criação de parcerias entre os grupos, e o quanto ela impactou as ações desenvolvidas nos territórios.

Dentre os principais apontamentos feitos pelos entrevistados estão a redefinição da missão, por perceberem que a original era ampla demais; a ampliação da proposta para otimizar espaços e recursos; e o ajuste ou mudança total na atuação após conhecerem melhor as necessidades do público-alvo.

Este foi o caso da organização Teatro do Container, cujo projeto tinha o objetivo de realizar apresentações para crianças e pessoas em situação de rua do centro da cidade. Com as capacitações e mentorias recebidas na Rede, a instituição percebeu que podia atuar de forma mais alinhada com as necessidades da população que vive nas ruas da região central de São Paulo. “Começamos a entender que eles não tinham interesse em assistir aos espetáculos. Mas eles usavam o banheiro, penduravam suas roupas… Usavam o espaço para aquilo que não podiam fazer nas ruas. Então, a gente entendeu que poderia atuar de outra forma, criando um espaço de convivência. Fizemos um trabalho de mediação social com os assistentes sociais da prefeitura e começamos a integrar essas pessoas”, revelou a entrevistada da organização.

Fortalecimento das pessoas e das organizações

Embora não fosse o foco da ação da Rede, a iniciativa alavancou o desenvolvimento e a maturidade institucional de uma parte dos grupos, especialmente aqueles que, ao se inscreverem nos editais, estavam na fase de ideação dos projetos.

O desenvolvimento de habilidades e conhecimentos foi outro ganho citado pelos entrevistados. Eles apontaram o uso do método design thinking como essencial para esse avanço. Para a maioria, a participação na Rede propiciou ou fortaleceu a gestão do projeto, a visão sistêmica, a articulação e a realização de parcerias. “A gente começou a ter mais visão de negócio e de sustentabilidade financeira”, explicou a representante do coletivo Meninas Mahin.

“O programa possibilitou que a gente conseguisse realizar o nosso projeto de uma forma muito mais profunda e qualificada”, ressaltou o representante do coletivo São Paulo Lab/Agrogyn.

Outro ponto levantado pela maioria das instituições entrevistadas foi o apoio pessoal: “As mentorias foram fundamentais para a gente entender quem nós éramos e com quem a gente ia atuar, quem era o nosso público-alvo e estabelecer minimamente os produtos e as metodologias que a gente tinha”, reforçou o participante do coletivo É bom ver, cidade.

A possibilidade de estabelecer parcerias com outros grupos e organizações reforçou a importância de redes territoriais e heterogêneas, onde se possam trocar conhecimentos e experiências. “Com a Rede a gente conheceu a Wilifa, que ajudou mais diretamente com alguns projetos, com a escrita de projetos… Para o pessoal da Arq Coop a gente deu entrevista em uma live”, contou a representante do Meninas Mahin.

“Quando recebemos os resultados da pesquisa, vimos que não fazia sentido guardá-los para nós. Por isso, além de disponibilizar o documento a qualquer pessoa, elaboramos uma publicação que resume as principais conclusões do estudo, porque sabemos o quanto são comuns as ‘dores’, os desafios e as expectativas das organizações que, como nós, atuam junto aos coletivos e grupos de diferentes territórios”, explicou Ivani.

Por isso, o Instituto Jatobás convida você a conhecer a “Pesquisa sobre a Rede Comunidade de Inovação Social”, na íntegra, realizada em parceria com o Centro de Empreendedorismo Social e Administração em Terceiro Setor (CEATS) da Faculdade de Economia e Administração (FEA) da USP e/ou acessar a publicação “A importância da Rede Comunidade de Inovação Social para grupos e organizações territoriais – resumo dos resultados da pesquisa”.

Biblioteca de Pardinho se prepara para receber 100 novos livros

IJ livros biblioteca pardinho

A biblioteca foi contemplada pelo Edital para Doação de Coleção Básica SisEB  2021

É momento de celebração na Biblioteca de Pardinho!

A biblioteca foi uma das contempladas do “Edital para Doação de Coleção Básica SisEB  2021  – Programa Apoio à  Atualização e Renovação de Acervo do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São Paulo”. Como premiação, será recebido um kit de 100 livros, composto de títulos selecionados por especialistas em literatura e com foco na produção literária brasileira.

Para o processo de seleção, o edital considerou critérios como a participação da equipe da biblioteca nas ações de formação realizadas pelo SisEB e pela SP Leituras em 2020 e 2021, a realização de serviços e programas de mediação de leitura para a comunidade, localização do município, horários de funcionamento e atualização de dados na plataforma Bibliotecas Paulistas.

Segundo Rosane Fagotti, gestora da biblioteca, a atuação perante a crise e o isolamento social foi crucial para a escolha.

“Eu acredito que essa escolha se deveu muito a atuação da Biblioteca. Na pandemia, seguimos ativos com a programação online, interagimos com os sócios e buscamos ferramentas e soluções para não parar com o nosso serviço que é tão importante para levar acolhimento e lazer às pessoas”, diz Rosane.

A seleção é mais uma vitória do espaço que desde 2018 é o único instrumento que disponibiliza um acervo literário, além das bibliotecas das instituições de ensino, e vem realizando um forte trabalho sobre o conceito da Biblioteca Viva, uma abordagem que transforma o conhecido lugar frio e silencioso em um ambiente alegre, agradável e confortável, com foco nas pessoas e no sentimento de pertencimento delas à biblioteca. Para isso são promovidas programações culturais, oficinas, atividades, contações de histórias e muito mais.

A lista oficial dos títulos recebidos será divulgada por meio do site e redes sociais do Centro Max Feffer.

Seminário Internacional Biblioteca Viva terá a participação da Biblioteca de Pardinho

CMFCS BLOG SITE NOTICIA SEMINARIO BIBLIOTECA

De 02 a 06 de agosto de 2021 acontece a 12ª edição do Seminário Internacional Biblioteca Viva e a Biblioteca de Pardinho está entre os 21 projetos selecionados para compor a programação do evento.

O seminário, considerado um dos maiores eventos do tema na América Latina, reúne profissionais e especialistas do setor de todo o mundo e é promovido pelo Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas – o SisEB junto à parceiros. 

Este ano o tema central da discussão será “Bibliotecas para todos nós, para hoje e para o futuro” e trará um olhar sobre a atuação das bibliotecas durante a crise do COVID-19.

Para participar do processo de seleção da programação, Rosane Fagotti, gestora da Biblioteca de Pardinho, enviou um relato sobre os desafios envolvidos na adaptação de atividades presenciais para o digital. 

Não parar foi essencial 

“Mesmo com o isolamento, não paramos com a biblioteca. Buscamos ferramentas e mecanismos que contemplassem os leitores e as ações foram um sucesso“, conta a gestora. 

Em abril de 2020, a biblioteca começou a oferecer uma ampla programação cultural virtual. Contações de histórias, oficinas de artes, poesia e escrita criativa, curso de formação de contadores de histórias e literatura do vestibular. Em sua reabertura parcial em outubro, foram implementados o serviço de drive-thru e a premiação de Leitor do Mês.

Apesar da situação inesperada, a biblioteca obteve resultados positivos e surpreendentes. Foram 1.218 pessoas passando pela biblioteca, 861 empréstimos feitos e quase 4 mil visualizações na programação online.

Fagotti comenta com alegria a seleção do trabalho da biblioteca e a importância de participar. “O objetivo do evento é trocar experiências, compartilhar saberes e fortalecer o setor. Todos os anos participo e percebo o quão importante o encontro é para o crescimento nosso crescimento.”  

A participação da Biblioteca da Pardinho está programada para o dia 06 de agosto, às 11h, no painel “Sessão de Pôsteres”. A atividade é aberta ao público e será transmitida pelo canal do YouTube do SISEB.

Skip to content