Realiza Cuesta fortalece empreendedores da Economia Criativa na região da Cuesta Paulista

REALIZA CUESTA

Em setembro de 2021, o Instituto Jatobás em parceria com o SEBRAE, deu início a 2° edição do  Realiza Cuesta, iniciativa que tem como missão  apoiar 14 empreendimentos da Economia Criativa da região da Cuesta Paulista, em São Paulo, por meio da  Jornada de desenvolvimento integrado com duração de seis meses, além de um  prêmio de até R$5.000,00 no final do percurso. 

Clique aqui para saber mais sobre os critérios do edital Realiza Cuesta.

“A Jornada do Realiza Cuesta é uma jornada integrada, que olha para as habilidades técnicas necessárias ao empreendedor e também para o desenvolvimento do potencial humano. Através de mapas de perfil individuais e do grupo, nós customizamos conteúdos e práticas que possibilitam o trabalho de reconhecimento e ampliação dos potenciais individuais e coletivos”, conta Lígia Carnicelli, responsável pela área Jornadas dos Agentes Transformadores do Instituto Jatobás. “Nosso objetivo é que os participantes saiam conscientes de seus papéis nas suas relações e nas suas comunidades e possam impactar a região de maneira positiva através de seus negócios de economia criativa”, completa.

REALIZA CUESTA                                         Encontro realizado em outubro de 2021 na Fazenda dos Bambus em Pardinho-SP

Durante a Jornada, que encerra em abril deste ano, os empreendedores passarão por oficinas para o desenvolvimento do potencial humano e o aprimoramento das competências e habilidades técnicas. Também serão oferecidas mentorias individuais e capacitações em temas como: comportamento empreendedor, modelo de negócio, plataforma Canva, pesquisa de mercado, jornada do cliente, gestão financeira, fontes de financiamento, marketing e comunicação, formalização e encontros de fortalecimento de rede etc. 

O Realiza Cuesta evidencia os profissionais que atuam dentro da Economia Criativa, para que eles possam ter uma jornada de desenvolvimento no seu trabalho. Porque a gente sabe a dificuldade que é empreender. Não só financeira, mas emocionalmente é um desafio enorme e a jornada permite que eles tenham um preparo,” conta Vitor Souza, responsável pela economia criativa do Instituto Jatobás.

Mapeamento da Economia Criativa

Em agosto de 2021, o Instituto Jatobás realizou o primeiro mapeamento da Economia Criativa, feito a partir da escuta de profissionais da área da cultura da região da Cuesta Paulista. 

“Por meio do mapeamento nós conseguimos entender um pouco sobre o perfil dos empreendedores e artistas da região, qual  a idade, quais são as principais necessidades e os maiores empecilhos na hora de desenvolver seus projetos ou negócios”, ressalta Vitor Souza.

De acordo com Vitor, o mapeamento garante a inclusão da Cuesta como uma área de desenvolvimento criativo, permitindo que empresas, investidores e instâncias governamentais possam agir e garantir as estruturas necessárias para o crescimento econômico e social de toda região. 

O que é?

A principal matéria-prima da Economia Criativa é o capital intelectual. Os empreendedores desse segmento criam produto e/ou serviço, como ferramentas para o desenvolvimento econômico, social e cultural da sociedade.

A Economia Criativa é dividida em quatro áreas:  

  • Consumo: design, publicidade, marketing e moda;
  • Cultura: expressões culturais, patrimônio e artes, música e artes cênicas; 
  • Mídia: editorial e audiovisual;
  • Tecnologia: P&D (Pesquisa e Desenvolvimento), bibliotecologia e TIC (desenvolvimento de softwares, sistemas, consultorias etc).

Segundo um estudo nacional realizado pela FGV em parceria com a Secretaria de Cultura e Economia Criativa e o Sebrae, em 2020 foram gerados pela Economia Criativa 1,5 milhões de empregos, atingindo a participação de 3,9% do PIB do Estado. No Brasil, o setor é responsável por 4,9 milhões de trabalhos criativos na economia mundial. 

 

Biblioteca de Pardinho se prepara para receber 100 novos livros

IJ livros biblioteca pardinho

A biblioteca foi contemplada pelo Edital para Doação de Coleção Básica SisEB  2021

É momento de celebração na Biblioteca de Pardinho!

A biblioteca foi uma das contempladas do “Edital para Doação de Coleção Básica SisEB  2021  – Programa Apoio à  Atualização e Renovação de Acervo do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São Paulo”. Como premiação, será recebido um kit de 100 livros, composto de títulos selecionados por especialistas em literatura e com foco na produção literária brasileira.

Para o processo de seleção, o edital considerou critérios como a participação da equipe da biblioteca nas ações de formação realizadas pelo SisEB e pela SP Leituras em 2020 e 2021, a realização de serviços e programas de mediação de leitura para a comunidade, localização do município, horários de funcionamento e atualização de dados na plataforma Bibliotecas Paulistas.

Segundo Rosane Fagotti, gestora da biblioteca, a atuação perante a crise e o isolamento social foi crucial para a escolha.

“Eu acredito que essa escolha se deveu muito a atuação da Biblioteca. Na pandemia, seguimos ativos com a programação online, interagimos com os sócios e buscamos ferramentas e soluções para não parar com o nosso serviço que é tão importante para levar acolhimento e lazer às pessoas”, diz Rosane.

A seleção é mais uma vitória do espaço que desde 2018 é o único instrumento que disponibiliza um acervo literário, além das bibliotecas das instituições de ensino, e vem realizando um forte trabalho sobre o conceito da Biblioteca Viva, uma abordagem que transforma o conhecido lugar frio e silencioso em um ambiente alegre, agradável e confortável, com foco nas pessoas e no sentimento de pertencimento delas à biblioteca. Para isso são promovidas programações culturais, oficinas, atividades, contações de histórias e muito mais.

A lista oficial dos títulos recebidos será divulgada por meio do site e redes sociais do Centro Max Feffer.

Seminário Internacional Biblioteca Viva terá a participação da Biblioteca de Pardinho

CMFCS BLOG SITE NOTICIA SEMINARIO BIBLIOTECA

De 02 a 06 de agosto de 2021 acontece a 12ª edição do Seminário Internacional Biblioteca Viva e a Biblioteca de Pardinho está entre os 21 projetos selecionados para compor a programação do evento.

O seminário, considerado um dos maiores eventos do tema na América Latina, reúne profissionais e especialistas do setor de todo o mundo e é promovido pelo Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas – o SisEB junto à parceiros. 

Este ano o tema central da discussão será “Bibliotecas para todos nós, para hoje e para o futuro” e trará um olhar sobre a atuação das bibliotecas durante a crise do COVID-19.

Para participar do processo de seleção da programação, Rosane Fagotti, gestora da Biblioteca de Pardinho, enviou um relato sobre os desafios envolvidos na adaptação de atividades presenciais para o digital. 

Não parar foi essencial 

“Mesmo com o isolamento, não paramos com a biblioteca. Buscamos ferramentas e mecanismos que contemplassem os leitores e as ações foram um sucesso“, conta a gestora. 

Em abril de 2020, a biblioteca começou a oferecer uma ampla programação cultural virtual. Contações de histórias, oficinas de artes, poesia e escrita criativa, curso de formação de contadores de histórias e literatura do vestibular. Em sua reabertura parcial em outubro, foram implementados o serviço de drive-thru e a premiação de Leitor do Mês.

Apesar da situação inesperada, a biblioteca obteve resultados positivos e surpreendentes. Foram 1.218 pessoas passando pela biblioteca, 861 empréstimos feitos e quase 4 mil visualizações na programação online.

Fagotti comenta com alegria a seleção do trabalho da biblioteca e a importância de participar. “O objetivo do evento é trocar experiências, compartilhar saberes e fortalecer o setor. Todos os anos participo e percebo o quão importante o encontro é para o crescimento nosso crescimento.”  

A participação da Biblioteca da Pardinho está programada para o dia 06 de agosto, às 11h, no painel “Sessão de Pôsteres”. A atividade é aberta ao público e será transmitida pelo canal do YouTube do SISEB.

Comunicado à comunidade, artistas, produtores e demais participantes do Edital Programação Cultural do Max 2021

CMFCS NOTICIAS EDITAL MAX o CHAMAMENTO

Com a não renovação do Termo de Fomento entre Prefeitura de Pardinho e o Instituto Jatobás, gestor do Centro Max Feffer Cultura e Sustentabilidade, a seleção de projetos 2021 para compor a programação do Max precisou ser revista, conforme ajustes do novo orçamento. Tivemos que nos reestruturar para dar continuidade ao atendimento à comunidade. Mesmo o Centro Max Feffer sendo um equipamento do município e sem contar com o apoio financeiro da prefeitura, conseguimos manter a operação e adequar o modelo de gestão para atender os artistas e os produtores, via edital.

Para melhor entendimento, no final de 2020, o Instituto Jatobás e o Centro Max Feffer Cultura e Sustentabilidade iniciaram um processo para fomentar projetos da região para comporem a Programação Cultural presencial e online do Centro de Cultura.

Tudo começou com uma pesquisa lançada no dia 4 de dezembro, em que a comunidade de Pardinho e região foi ouvida em relação ao que gostariam de participar e presenciar no Max. Ao todo, foram recebidas mais de 400 respostas que nortearam as diretrizes para a nova programação.

O segundo passo foi estruturar um edital de chamamento público, criado com base nos critérios levantados na pesquisa, que fosse democrático e participativo na formação da programação de 2021. Lançado em 24 de dezembro, o edital recebeu mais de 300 propostas nos eixos de cultura raiz, artes (dança, circo, teatro, música etc.), bem-estar e biblioteca.

Continue lendo no site do Centro Max Feffer

Documentário sobre fotógrafo botucatuense concorre a prêmio internacional

foto Pardinho

Músicos botucatuenses Karoline Violeira e Osni Ribeiro participaram da trilha sonora.

Por Sergio Santa Rosa

O documentário “You´re not a soldier” (“Você não é um soldado”, em tradução livre), que conta a história do fotógrafo de guerra André Liohn, nascido em Botucatu, foi selecionado para o Hot Docs Film Festival, considerado o maior evento de documentários da América do Norte e um dos mais importantes do mundo.

Liohn é bastante conhecido no meio jornalístico internacional. Dentre outros prêmios, tornou-se o primeiro fotojornalista latino-americano a receber o prestigiado Robert Capa Gold Medal, por seu trabalho sobre a guerra civil da Líbia. Mas o filme também traz a participação dos músicos botucatuenses Karoline Violeira e Osni Ribeiro na trilha sonora, assinada pelo premiado músico e produtor Ruben Feffer, também produtor executivo do documentário e sócio da Elo Company, empresa que produziu o filme. Karoline gravou na viola caipira, no Estúdio Abacateiro, em Botucatu, um tema composto por Feffer. Osni Ribeiro dirigiu e produziu a gravação. A trilha gravada pelos músicos botucatuenses ilustra a cena final do filme.

Feffer explica o convite aos músicos botucatuenses. “Em certo momento do filme, há uma cena muito poética, com o André caminhando pelas montanhas da serra de Botucatu, sua terra natal. Para esse momento pensei em utilizar uma viola caipira na trilha. Busquei o Instituto Jatobás para que me indicassem uma pessoa da região que tocasse viola e pudesse fazer uma participação. Eles me apresentaram a Karoline Violeira e deu muito certo. A cena ficou linda”.

Karoline encarou o desafio, gostou da experiência e diz estar muito orgulhosa pelo sucesso do filme. “Quando fui convidada pelo pessoal do Instituto Jatobás fiquei um pouco assustada com a missão. O Ruben Feffer me passou uma partitura e eu fui treinando para conseguir fazer o que ele pediu. Era uma empreitada bem diferente do que estou acostumada a fazer. No estúdio foi um grande aprendizado, o Osni Ribeiro produziu a gravação, me deu várias dicas e me acalmou porque eu estava bem nervosa”, comenta.

Atualmente, dedicando a maior parte de seu tempo a cuidar da filha Anahi, de três meses de idade, Karoline ressalta a satisfação por participar do projeto. “Estou muito feliz que o filme esteja tendo esse reconhecimento. Nunca poderia imaginar que a minha violinha simplesinha aqui do sítio iria chegar tão longe, num filme de sucesso internacional. É uma coisa que quero contar para minha filha e, no futuro, para meus netos”. A violeira ainda não assistiu o filme, mas já viu a cena em que sua música aparece e concorda com Ruben Feffer: “É linda”.

O Instituto Jatobás atua há mais de 15 anos no município de Pardinho e agora, está expandindo sua atuação para a região da Cuesta Paulista, com base no conceito e na prática de desenvolvimento local sustentável, o que inclui parcerias com organizações da sociedade civil, poder público e empresas, além do apoio a empreendedores, produtores culturais e artistas. A indicação de Karoline Violeira para participar do filme é mais uma das ações do Instituto Jatobás em estímulo aos talentos e empreendedorismo cultural e criativo da região. “O Hot Docs é um dos festivais de documentários mais importantes do mundo”, enfatiza Feffer. “Dessa forma, o filme vai trazer uma visibilidade para os artistas da região e para o Instituto Jatobás”.

Sempre realizado na cidade de Toronto, o Hot Docs está em sua 28ª edição. Neste ano, a programação on-line terá a estreia de documentários em transmissão por streaming, eventos ao vivo e outros conteúdos, de 29 de abril a 9 de maio.

Sobre “You´re not a soldier”

O filme parte da relação da diretora Maria Carolina Telles com seu pai, um soldado dedicado que se sentia atraído pelas complexidades da guerra. Na tentativa de entender o que motivou o desejo de seu pai de estar na linha de frente, Telles mergulha na história do fotógrafo de guerra André Liohn. Como o pai de Telles, André era um homem que lutava contra sua própria dor interna, muitas vezes optando por mergulhar em algumas das zonas de conflito mais notórias do mundo. Liohn testemunha a morte de companheiros de trabalho e começa a questionar os motivos para se colocar em tal perigo, expondo as veias abertas do jornalismo e a luta universal para superar a dor do luto e a verdade inexorável da morte.

Programação Centro Max Feffer: Instituto Jatobás lança edital e seleciona projetos para 2021

WhatsApp Image at x

Propostas nas áreas de arte e cultura e bem-estar podem ser inscritas até 17 de janeiro. O processo está aberto para residentes em Pardinho e região

Atenção, artistas, produtores culturais e empreendedores criativos de Pardinho e região! O Instituto Jatobás está selecionando propostas para compor a programação presencial e online do Centro Max Feffer – Cultura e Sustentabilidade (CMF). O período de inscrições para o edital Programação Cultural do Max 2021 se estende até 17 de janeiro e o resultado será divulgado em 26 do mesmo mês.

Podem ser inscritas propostas enviadas por representantes maiores de 18 anos, que atuem nos eixos de arte e cultura e bem-estar; residentes ou com endereço comercial (CNPJ) em Pardinho ou região (raio de 250km do município de Pardinho – SP).

Continue lendo no site do Centro Max Feffer.

Pardinho é escolhida para sediar o Programa Viagem Literária 2020

Pardinho e escolhida para sediar o Programa Viagem Literaria

Biblioteca da cidade recebe em 25 de novembro a escritora Eliane Marques, que ministrará uma oficina de poesia e bate papo

Pardinho, no interior de São Paulo, ficou entre as 75 cidades selecionadas para sediar o programa Viagem Literária 2020, promovido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, por meio da Unidade de Difusão Cultural, Bibliotecas e Leitura, realizado pela SP Leituras. Esta é a segunda vez que a cidade foi escolhida.

Continue lendo no Centro Max Feffer.

Dia Nacional da Leitura: Biblioteca do Centro Max Feffer cria método inovador para emprestar livros

IMG WA x

No formato drive thru, sócios poderão agendar horário e retirar os livros sem sair do carro

Para comemorar a semana do Dia Nacional da Leitura, a biblioteca do Centro Max Feffer lançou na segunda-feira, 12, um novo formato de empréstimo de livros. Pensando na restrição de deslocamento de pessoas durante o período de quarentena, a equipe do Max inovou ao pensar em um sistema diferente e que se adapta à atual realidade.

Continue lendo no Centro Max Feffer.

Skip to content