Confira os selecionados para a 2ª edição do Realiza Cuesta

IJ BLOG REALIZA CUESTA SELECIONADOS

No dia 20 de outubro de 2021, a Comissão de Avaliação do Edital Realiza Cuesta – 2ª Edição, se reuniu para definir os projetos aprovados para o programa.

A mesa foi composta por profissionais do Instituto Jatobás, SEBRAE e especialistas da Economia Criativa que avaliaram cada projeto de acordo com os critérios dispostos no Regulamento, atribuindo notas que ao final foram somadas e definiram os 15 selecionados para a jornada de empreendedorismo e desenvolvimento do potencial humano que será realizada pelo Instituto Jatobás em parceria com o SEBRAE.

Confira a lista dos projetos selecionados abaixo:

  • Inklusive
  • Mocó dos Mita
  • Verd+
  • GARAGE – Espaço de Cultura
  • anDanças pela Cuesta.
  • Violas tropreira
  • Arte em Prática – assessoria para artistas
  • Arte de Rua – Graffiti
  • Aulas de Costura Criativa
  • CARLOS LIMA PRODUCOES
  • Marcelo Naudi
  • Zukultura Produção Cultural
  • Berrante Produções
  • Juruna Carvalho Luthier
  • na goma

Para saber mais sobre as notas, a lista de suplentes e o segmento dos projetos, acesse a ata da Comissão de Avaliação clique aqui.

Sobre o Realiza Cuesta

O Realiza Cuesta é um programa desenvolvido pelo Instituto Jatobás, que visa apoiar empreendedores por meio de uma jornada integrada com atividades para o aprimoramento das competências e habilidades técnicas e o desenvolvimento do potencial humano, que inclui metodologias ágeis de conhecimento prático para o fortalecimento de seus negócios, desenvolvimento do potencial humano e conexão em rede de parceiros. Saiba mais sobre a segunda edição aqui

Instituto Jatobás compartilha resultados da pesquisa sobre Rede Comunidade de Inovação Social

A importancia da Rede Comunidade de Inovacao Social

Por Mariângela Almeida

Em parceria com CEATS da FEA/USP, o Instituto Jatobás realizou uma pesquisa para mensurar a percepção de valor do programa nos projetos dos grupos, coletivos e organizações participantes da Rede. O Instituto compartilha os resultados do estudo para apoiar instituições que também atuam com esses públicos.

A Rede Comunidade de Inovação Social, iniciativa idealizada pelo Instituto Jatobás, em 2015, tem o objetivo de apoiar e incentivar grupos de pessoas que se sentem impotentes diante da realidade e querem resolver, com soluções sociais inovadoras, desafios socioambientais nos seus territórios.   

Por meio de editais, coletivos e organizações podem se candidatar para fazer parte da Rede, recebendo capacitação, mentoria e apoio financeiro. Desde a criação do programa, foram lançados quatro editais com foco nas regiões mais vulneráveis da cidade de São Paulo. 

A pesquisa de impacto usou, como recorte, as organizações selecionadas pelos editais Divergente Positivo (2017) e Inova ZL, em parceria com a Fundação Tide Setubal (2018). “O que nos motivou a fazer a pesquisa foi a percepção de que, a cada edital de chamamento e durante os processos de implementação, configurava-se uma curva de aprendizagem significativa com mais subsídios para ajustes e continuidade das ações. Queríamos mensurar a profundidade e o tamanho dessa curva e entender o quanto as instituições beneficiadas percebiam o valor da iniciativa”, explicou Ivani Tristan, líder do programa.   

Mudanças e ajustes nos objetivos e no foco das ações sociais 

A maioria dos 22 grupos, coletivos e associações que participaram do estudo está concentrada nas Zonas Sul, Leste e no Centro da cidade de São Paulo, atuando nas áreas de Artes, Equidade e Diversidade, Meio Ambiente, Feminismo, Urbanismo, Empreendedorismo, Segurança e Educação.

Por meio de um questionário, os pesquisadores abordaram diferentes aspectos da Rede, como a troca de experiências, a maturidade dos projetos desenvolvidos e a criação de parcerias entre os grupos, e o quanto ela impactou as ações desenvolvidas nos territórios.

Dentre os principais apontamentos feitos pelos entrevistados estão a redefinição da missão, por perceberem que a original era ampla demais; a ampliação da proposta para otimizar espaços e recursos; e o ajuste ou mudança total na atuação após conhecerem melhor as necessidades do público-alvo.

Este foi o caso da organização Teatro do Container, cujo projeto tinha o objetivo de realizar apresentações para crianças e pessoas em situação de rua do centro da cidade. Com as capacitações e mentorias recebidas na Rede, a instituição percebeu que podia atuar de forma mais alinhada com as necessidades da população que vive nas ruas da região central de São Paulo. “Começamos a entender que eles não tinham interesse em assistir aos espetáculos. Mas eles usavam o banheiro, penduravam suas roupas… Usavam o espaço para aquilo que não podiam fazer nas ruas. Então, a gente entendeu que poderia atuar de outra forma, criando um espaço de convivência. Fizemos um trabalho de mediação social com os assistentes sociais da prefeitura e começamos a integrar essas pessoas”, revelou a entrevistada da organização.

Fortalecimento das pessoas e das organizações

Embora não fosse o foco da ação da Rede, a iniciativa alavancou o desenvolvimento e a maturidade institucional de uma parte dos grupos, especialmente aqueles que, ao se inscreverem nos editais, estavam na fase de ideação dos projetos.

O desenvolvimento de habilidades e conhecimentos foi outro ganho citado pelos entrevistados. Eles apontaram o uso do método design thinking como essencial para esse avanço. Para a maioria, a participação na Rede propiciou ou fortaleceu a gestão do projeto, a visão sistêmica, a articulação e a realização de parcerias. “A gente começou a ter mais visão de negócio e de sustentabilidade financeira”, explicou a representante do coletivo Meninas Mahin.

“O programa possibilitou que a gente conseguisse realizar o nosso projeto de uma forma muito mais profunda e qualificada”, ressaltou o representante do coletivo São Paulo Lab/Agrogyn.

Outro ponto levantado pela maioria das instituições entrevistadas foi o apoio pessoal: “As mentorias foram fundamentais para a gente entender quem nós éramos e com quem a gente ia atuar, quem era o nosso público-alvo e estabelecer minimamente os produtos e as metodologias que a gente tinha”, reforçou o participante do coletivo É bom ver, cidade.

A possibilidade de estabelecer parcerias com outros grupos e organizações reforçou a importância de redes territoriais e heterogêneas, onde se possam trocar conhecimentos e experiências. “Com a Rede a gente conheceu a Wilifa, que ajudou mais diretamente com alguns projetos, com a escrita de projetos… Para o pessoal da Arq Coop a gente deu entrevista em uma live”, contou a representante do Meninas Mahin.

“Quando recebemos os resultados da pesquisa, vimos que não fazia sentido guardá-los para nós. Por isso, além de disponibilizar o documento a qualquer pessoa, elaboramos uma publicação que resume as principais conclusões do estudo, porque sabemos o quanto são comuns as ‘dores’, os desafios e as expectativas das organizações que, como nós, atuam junto aos coletivos e grupos de diferentes territórios”, explicou Ivani.

Por isso, o Instituto Jatobás convida você a conhecer a “Pesquisa sobre a Rede Comunidade de Inovação Social”, na íntegra, realizada em parceria com o Centro de Empreendedorismo Social e Administração em Terceiro Setor (CEATS) da Faculdade de Economia e Administração (FEA) da USP e/ou acessar a publicação “A importância da Rede Comunidade de Inovação Social para grupos e organizações territoriais – resumo dos resultados da pesquisa”.

Biblioteca de Pardinho se prepara para receber 100 novos livros

IJ livros biblioteca pardinho

A biblioteca foi contemplada pelo Edital para Doação de Coleção Básica SisEB  2021

É momento de celebração na Biblioteca de Pardinho!

A biblioteca foi uma das contempladas do “Edital para Doação de Coleção Básica SisEB  2021  – Programa Apoio à  Atualização e Renovação de Acervo do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São Paulo”. Como premiação, será recebido um kit de 100 livros, composto de títulos selecionados por especialistas em literatura e com foco na produção literária brasileira.

Para o processo de seleção, o edital considerou critérios como a participação da equipe da biblioteca nas ações de formação realizadas pelo SisEB e pela SP Leituras em 2020 e 2021, a realização de serviços e programas de mediação de leitura para a comunidade, localização do município, horários de funcionamento e atualização de dados na plataforma Bibliotecas Paulistas.

Segundo Rosane Fagotti, gestora da biblioteca, a atuação perante a crise e o isolamento social foi crucial para a escolha.

“Eu acredito que essa escolha se deveu muito a atuação da Biblioteca. Na pandemia, seguimos ativos com a programação online, interagimos com os sócios e buscamos ferramentas e soluções para não parar com o nosso serviço que é tão importante para levar acolhimento e lazer às pessoas”, diz Rosane.

A seleção é mais uma vitória do espaço que desde 2018 é o único instrumento que disponibiliza um acervo literário, além das bibliotecas das instituições de ensino, e vem realizando um forte trabalho sobre o conceito da Biblioteca Viva, uma abordagem que transforma o conhecido lugar frio e silencioso em um ambiente alegre, agradável e confortável, com foco nas pessoas e no sentimento de pertencimento delas à biblioteca. Para isso são promovidas programações culturais, oficinas, atividades, contações de histórias e muito mais.

A lista oficial dos títulos recebidos será divulgada por meio do site e redes sociais do Centro Max Feffer.

Seminário Internacional Biblioteca Viva terá a participação da Biblioteca de Pardinho

CMFCS BLOG SITE NOTICIA SEMINARIO BIBLIOTECA

De 02 a 06 de agosto de 2021 acontece a 12ª edição do Seminário Internacional Biblioteca Viva e a Biblioteca de Pardinho está entre os 21 projetos selecionados para compor a programação do evento.

O seminário, considerado um dos maiores eventos do tema na América Latina, reúne profissionais e especialistas do setor de todo o mundo e é promovido pelo Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas – o SisEB junto à parceiros. 

Este ano o tema central da discussão será “Bibliotecas para todos nós, para hoje e para o futuro” e trará um olhar sobre a atuação das bibliotecas durante a crise do COVID-19.

Para participar do processo de seleção da programação, Rosane Fagotti, gestora da Biblioteca de Pardinho, enviou um relato sobre os desafios envolvidos na adaptação de atividades presenciais para o digital. 

Não parar foi essencial 

“Mesmo com o isolamento, não paramos com a biblioteca. Buscamos ferramentas e mecanismos que contemplassem os leitores e as ações foram um sucesso“, conta a gestora. 

Em abril de 2020, a biblioteca começou a oferecer uma ampla programação cultural virtual. Contações de histórias, oficinas de artes, poesia e escrita criativa, curso de formação de contadores de histórias e literatura do vestibular. Em sua reabertura parcial em outubro, foram implementados o serviço de drive-thru e a premiação de Leitor do Mês.

Apesar da situação inesperada, a biblioteca obteve resultados positivos e surpreendentes. Foram 1.218 pessoas passando pela biblioteca, 861 empréstimos feitos e quase 4 mil visualizações na programação online.

Fagotti comenta com alegria a seleção do trabalho da biblioteca e a importância de participar. “O objetivo do evento é trocar experiências, compartilhar saberes e fortalecer o setor. Todos os anos participo e percebo o quão importante o encontro é para o crescimento nosso crescimento.”  

A participação da Biblioteca da Pardinho está programada para o dia 06 de agosto, às 11h, no painel “Sessão de Pôsteres”. A atividade é aberta ao público e será transmitida pelo canal do YouTube do SISEB.

Rosane Fagotti representa o Instituto Jatobás em evento da FEBAB

RosaFagotti IJ EventoFebab
No dia 21 de julho às 19h, Rosane Fagotti, Coordenadora da Biblioteca de Pardinho (conhecida como Biblioteca do Max), participará do encontro online “Todo dia é dia de Advocacy – Lançamento da Carta de Advocacy das Bibliotecas Públicas”.

O evento é uma realização da Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições (FEBAB) e conta com a participação de profissionais e acadêmicos especialistas nos temas de advocacy e bibliotecas.

Apaixonada pela profissão, Rosane tem 40 anos de experiência e desde 2018 vem transformando a Biblioteca do Max em uma biblioteca viva, com atividades, programas e oficinas para todas as idades, aproximando a comunidade do mundo da fantasia e da literatura. Ela comentou com alegria o reconhecimento e o convite da FEBAB “Agradeço a FEBAB pelo convite para participar desta live e poder compartilhar com outros profissionais os cases de advocacy por causa das Bibliotecas Públicas.”, diz a coordenadora.

O advocacy é um engajamento, uma defesa ativa em relação a uma causa ou alguma proposta em pauta e que possa promover uma mudança positiva na sociedade. Assim, o FEBAB convida equipes e profissionais de bibliotecas na mobilização e promoção do tema.

Além da conversa, o evento também vai apresentar o projeto “10 minutos de Advocacy”, realizado em parceria com o Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas do Estado de São Paulo (SISEB) e fará o lançamento da Carta de Advocacy para as Bibliotecas.Ative a notificação e acompanhe o evento na quarta-feira, 21/07 às 19h, no canal do YouTube da FEBAB.


WhatsApp Image at

Conheça a nossa nova casa!

IJ THUMB SITE NOVA SEDE

Após um ano intenso de mudanças e desafios, o Instituto Jatobás percebeu a necessidade de mudar. A equipe cresceu, as atividades se intensificaram, novas demandas foram criadas. Por conta de tudo isso e visando o início de um novo ciclo, o IJ deixou o escritório localizado no bairro do Paraíso e iniciou seus trabalhos na Rua Estevão Baião, 149, no Campo Belo, em São Paulo.

A nova sede conta com um galpão em três níveis em uma área total de 1100m², comportando dois andares de escritório, salas de reunião, refeitório, ampla área para eventos e um estúdio audiovisual que atenderá demandas institucionais e também será aberto ao público no ano de 2022 . Ao lado ainda há um segundo galpão onde funcionará um Hub de Inovação, onde a comunidade poderá desenvolver projetos e atividades relacionadas à cultura, arte, lazer e educação em parceria com as instituições locais.

A definição do local tem uma razão especial. Apesar de ser considerada uma área nobre, a região abriga diversas comunidades periféricas e aparece 15 vezes entre os 10 piores nos 53 indicadores sociais, segundo o Mapa da Desigualdade 2018. Por isso, Campo Belo foi escolhido para ser o segundo polo do eixo de Desenvolvimento Territorial do Instituto. 

Confira o endereço completo da nossa nova sede! Rua Estêvão Baião, 149 – CEP 04624-000 – Campo Belo – São Paulo – SP – Brasil

Conheça os selecionados para a Mentoria Individual de Projetos Culturais

WhatsApp Image at

Ação visa apoio no desenvolvimento de projetos culturais da região da Cuesta Paulista

O Instituto Jatobás divulgou hoje os selecionados para as Mentorias Individuais de Projetos Culturais da Cuesta Paulista, que acontecerão em junho de 2021.

As mentorias individuais tem o objetivo de auxiliar no desenvolvimento de projetos culturais da região da Cuesta Paulista para aumentar as suas chances de seleção em editais e leis de incentivo e incentivar a participação no ProAC SP.       

Para se candidatar à mentoria, os interessados precisaram cumprir com dois requisitos: ter participado do curso Aprenda a Elaborar Projetos para Editais e Leis de Incentivo (que aconteceu online entre os dias 01 e 04 de junho, realizado em parceria com a Giallo MKT), ter pelo menos 2 anos de atuação e residir nas cidades da região (Anhembi, Areiópolis, Avaré, Barra Bonita, Bofete, Botucatu, Conchas, Itatinga, Lençóis Paulista, Pardinho, Paranapanema, Pratânia, São Manuel e Torre de Pedra).

Foram disponibilizadas, primeiramente, 14 vagas contemplando 14 cidades da região da Cuesta Paulista (uma por município). No total, 20 projetos foram inscritos com a participação de 6 cidades da região: Pardinho (5), São Manuel (3), Avaré (1), Barra Bonita (1), Itatinga (1) e Botucatu (9). Não havendo a inscrição de todos os municípios da região, foram redistribuídos proporcionalmente aos candidatos, atendendo a todas as cidades inscritas.   

A avaliação foi realizada de acordo com três critérios: impacto no cenário cultural e na formação de público, atuação do proponente de acordo com a projeto e viabilidade da proposta.Como critério de desempate foi considerado o nível de instrução do candidato, priorizando os iniciantes e/ou com menor conhecimento em estruturação de projetos.

 

Conheça os selecionados

 

Nome Município
Rodrigo Negrão Avaré
Maria aparecida candido v. de França Barra Bonita
Roberta da Silva Sartor Botucatu
Lívia Maria Nicomedes Conceição Botucatu
Tiago de Oliveira Soares Botucatu
Guilherme de Moraes Corrêa Botucatu
Hélio Samuel de Arruda Albano Itatinga
Roseli Cristina Castelo Pardinho
Roberta / Marcelo Naudi Pardinho
Paulo Roberto Amaral Lencioni Pardinho
Fabíola Cézar Souza Pardinho
Bruno Pilan São Manuel
Anderson Alves de Almeida São Manuel
Celisa Maria Bertáglia Luizetto São Manuel

A equipe do Instituto Jatobás entrará em contato com cada um para agendar as mentorias que acontecerão na segunda quinzena de junho de 2021.

Instituto Jatobás e Centro Max Feffer oferecem curso de Redes Sociais e Internet

curso inclusao digital cmf

A interação digital veio para ficar, não temos a mínima dúvida disso. Mas com ela chegam as novidades, os aplicativos, as adaptações de coisas que fazíamos no físico e agora estão no digital – como o trabalho.

Para ajudar e tornar essa interação mais amigável e produtiva e democratizar o acesso a tecnologia, o Instituto Jatobás e o Centro Max Feffer lançaram o curso Inclusão Digital – Redes Sociais e Noções Básicas de Internet através do Celular.

Com realização do Instituto Jatobás e do Centro Max Feffer, o curso tem como objetivo facilitar o acesso a recursos importantes dos smartphones que, muitas vezes, as pessoas desconhecem.

Nas aulas os participantes vão aprender as possibilidades do uso do celular, configurações básicas do equipamento, envio de áudios e arquivos por diferentes plataformas, acesso ao e-mail, utilização das redes sociais e chamadas de vídeo.

Com início no dia 14 de junho e término no dia 02 de julho de 2021, os encontros serão presenciais às segundas, quartas e sextas das 14h às 16h, na sede do Centro Max Feffer, em Pardinho (SP). Para participar o interessado precisa ter a partir de 14 anos, acesso à um celular que possa ser conectado à internet e disponibilidade para comparecer ao local.

As inscrições estão abertas pelo formulário (clique aqui) e são gratuitas, mas as vagas são limitadas. A seleção dos participantes se dará pela ordem de cadastro, então, garanta sua vaga no Curso de Inclusão Digital.

 

 

Skip to content