Instituto Jatobás e Centro Max Feffer oferecem curso de Redes Sociais e Internet

curso inclusao digital cmf

A interação digital veio para ficar, não temos a mínima dúvida disso. Mas com ela chegam as novidades, os aplicativos, as adaptações de coisas que fazíamos no físico e agora estão no digital – como o trabalho.

Para ajudar e tornar essa interação mais amigável e produtiva e democratizar o acesso a tecnologia, o Instituto Jatobás e o Centro Max Feffer lançaram o curso Inclusão Digital – Redes Sociais e Noções Básicas de Internet através do Celular.

Com realização do Instituto Jatobás e do Centro Max Feffer, o curso tem como objetivo facilitar o acesso a recursos importantes dos smartphones que, muitas vezes, as pessoas desconhecem.

Nas aulas os participantes vão aprender as possibilidades do uso do celular, configurações básicas do equipamento, envio de áudios e arquivos por diferentes plataformas, acesso ao e-mail, utilização das redes sociais e chamadas de vídeo.

Com início no dia 14 de junho e término no dia 02 de julho de 2021, os encontros serão presenciais às segundas, quartas e sextas das 14h às 16h, na sede do Centro Max Feffer, em Pardinho (SP). Para participar o interessado precisa ter a partir de 14 anos, acesso à um celular que possa ser conectado à internet e disponibilidade para comparecer ao local.

As inscrições estão abertas pelo formulário (clique aqui) e são gratuitas, mas as vagas são limitadas. A seleção dos participantes se dará pela ordem de cadastro, então, garanta sua vaga no Curso de Inclusão Digital.

 

 

Curso de Elaboração de Projetos Culturais está com inscrições abertas

EconomiaCriativa Capa

Os participantes moradores da região da Cuesta Paulista poderão participar da seleção para vagas de mentoria individual

Nos dias 01, 02, 03 e 04 de junho, das 18h às 20h30, acontece o curso online “Aprenda a elaborar projetos para editais e leis de incentivo”, oferecido pelo Instituto Jatobás e com realização da Giallo Marketing. 

Artistas, produtores culturais e/ou empreendedores das áreas cultural, artística e criativa são o público alvo, com o intuito dar suporte a colocar suas ideias no papel e aproveitando a abertura do  do ProAC-SP para inscreverem os seus projetos. “O ProAC é uma das políticas públicas culturais mais importantes do estado, e conta com uma cota de 50% para projetos de fora da capital paulista, o que amplia as chances dos produtores do interior acessarem esta oportunidade. Capacitar os artistas e produtores culturais são pilares fundamentais para auxiliar na promoção da economia criativa como uma alternativa para o desenvolvimento”, afirma Madalena Carneiro, gestora de projetos do Instituto Jatobás. 

Somando 10 horas de conteúdo, o curso vai abordar os temas de Contexto de Leis e Editais de Cultura, como pensar um projeto cultural desde o início, a estrutura de projetos, o passo a passo para a elaboração, as etapas de produção, o orçamento, o plano de comunicação e a documentação. Quem ministra as aulas é Luanda Bonadio, fundadora da Giallo Marketing e especialista em Gestão e Produção Cultural com mais de 20 anos de experiência multidisciplinar e atuante em de áreas de Marketing, Comunicação, Cultura e Terceiro Setor e assessoria a artistas, equipamentos culturais e organizações sociais de cultura no uso estratégico da Comunicação e do Marketing, na Formatação de Ideias e Produtos e em Cursos sobre Leis de incentivo à Cultura. 

A transmissão das aulas será ao vivo e haverá interação com a professora. Importante destacar que a oportunidade é única, uma vez que os encontros não serão gravadas nem disponibilizadas fora do horário.  As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas até o dia 31/05 pelo formulário http://bit.ly/projetoparaeditais.

Projetos da Cuesta Paulista poderão participar da seleção para mentoria individual

Ainda há uma oportunidade extra exclusiva para quem participar do curso e for morador das cidades da Cuesta Paulista para aprimoramento do seu projeto. O Instituto Jatobás disponibilizará 14 vagas (uma para cada município da região) para mentoria individual.  

Para participar da seleção, o candidato além de assistir ao curso, o projeto também precisará atender os critérios de viabilidade da proposta, atuação compatível com o proposto, ter o histórico de atuação de pelo menos 2 anos e ser morador de uma das seguintes cidades: Anhembi, Areiópolis, Avaré, Barra Bonita, Bofete, Botucatu, Conchas, Itatinga, Lençois Paulista, Pardinho, Paranapanema, Pratânia, São Manuel e Torre de Pedra

A iniciativa faz parte das ações de fomento à Economia Criativa na região da Cuesta Paulista que teve como sua primeira ação o Mapeamento Economia Criativa – Cuesta Paulista, realizado pelo Instituto Jatobás, juntamente com a Giallo Marketing e Instituto Locomotiva e apoio do SEBRAE. Aplicada em abril de 2021, a pesquisa contou com 407 participantes e terá seus resultados apresentados em julho, em evento de lançamento com data a ser marcada. 

O estudo também será utilizado para fundamentar um Plano de Desenvolvimento e Fortalecimento Econômico Regional. Diversas Prefeituras, o Sebrae e o Pólo Cuesta são apoiadores da iniciativa. 

 

Comunicado à comunidade, artistas, produtores e demais participantes do Edital Programação Cultural do Max 2021

CMFCS NOTICIAS EDITAL MAX o CHAMAMENTO

Com a não renovação do Termo de Fomento entre Prefeitura de Pardinho e o Instituto Jatobás, gestor do Centro Max Feffer Cultura e Sustentabilidade, a seleção de projetos 2021 para compor a programação do Max precisou ser revista, conforme ajustes do novo orçamento. Tivemos que nos reestruturar para dar continuidade ao atendimento à comunidade. Mesmo o Centro Max Feffer sendo um equipamento do município e sem contar com o apoio financeiro da prefeitura, conseguimos manter a operação e adequar o modelo de gestão para atender os artistas e os produtores, via edital.

Para melhor entendimento, no final de 2020, o Instituto Jatobás e o Centro Max Feffer Cultura e Sustentabilidade iniciaram um processo para fomentar projetos da região para comporem a Programação Cultural presencial e online do Centro de Cultura.

Tudo começou com uma pesquisa lançada no dia 4 de dezembro, em que a comunidade de Pardinho e região foi ouvida em relação ao que gostariam de participar e presenciar no Max. Ao todo, foram recebidas mais de 400 respostas que nortearam as diretrizes para a nova programação.

O segundo passo foi estruturar um edital de chamamento público, criado com base nos critérios levantados na pesquisa, que fosse democrático e participativo na formação da programação de 2021. Lançado em 24 de dezembro, o edital recebeu mais de 300 propostas nos eixos de cultura raiz, artes (dança, circo, teatro, música etc.), bem-estar e biblioteca.

Continue lendo no site do Centro Max Feffer

Pesquisa vai mapear iniciativas de Economia Criativa na Cuesta Paulista

gabriel gurrola UuhMZEChdc unsplash

Pesquisa vai mapear iniciativas de Economia Criativa na Cuesta Paulista
Podem participar artistas, produtores, arte-educadores, empreendedores criativos e demais profissionais e empresas da cadeia produtiva da arte e da cultura. O objetivo é gerar informações para a melhor compreensão das potencialidades regional.

Por Sergio Santa Rosa

No período de 04 a 21 de abril, acontece o Mapeamento da Economia Criativa – Cuesta Paulista, uma pesquisa que tem o objetivo de mapear, compreender as potencialidades, identificar oportunidades e fomentar, a partir da sua divulgação e outras ações, o trabalho de artistas, produtores e empreendedores da Cuesta Paulista, em toda a cadeia da Economia Criativa. O estudo também tem o objetivo de fundamentar um Plano de Desenvolvimento e Fortalecimento Econômico Regional. Diversas Prefeituras, o Sebrae e o Pólo Cuesta são apoiadores da iniciativa.

Por Economia Criativa entendem-se os trabalhos baseados no capital intelectual e cultural e na criatividade que gera valor econômico, dentre eles: artesanato, folclore, serviços culturais em geral, museologia, produção cultural, patrimônio, serviços educacionais em arte e cultura, criação e produção musical, produção audiovisual, artes cênicas, produção editorial, artes visuais, arquitetura, design gráfico, publicidade, marketing e moda.

A pesquisa será aplicada nos municípios de Anhembi, Areiópolis, Avaré, Barra Bonita, Bauru, Bofete, Botucatu, Conchas, Itatinga, Lençóis Paulista, Pardinho, Paranapanema, Pratânia, São Manuel, Torre da Pedra, entre outros.

O Mapeamento da Economia Criativa – Custa Paulista é uma realização do Instituto Jatobás, Organização da Sociedade Civil sem fins lucrativos, que atua no município de Pardinho desde 2005, promovendo ações para o desenvolvimento sustentável local e tendo a cultura e o empreendedorismo como eixos estratégicos de investimento. Em 2008, o Instituto entregou a Pardinho, o Centro Max Feffer Cultura & Sustentabilidade (CMFCS) que hoje é certificado como Ponto de Cultura e um dos principais equipamentos culturais da região.

Em 2020, o Instituto Jatobás deu início ao seu plano de expansão e, a partir da sua experiência e conhecimento do potencial da região, passará a atuar em prol do desenvolvimento socioeconômico de toda a Cuesta Paulista. “Trata-se de uma região com uma veia artística e cultural muito grande e por isso, com potencial e diversidade para a Economia Criativa. E é preciso entender e pensar essas atividades como profissões que formam uma cadeia produtiva. Daí a importância de conhecer a dinâmica de atuação desses profissionais e empreendedores culturais e criativos para viabilizar a criação de um plano estratégico que contribua para potencializar a geração de trabalho e renda e promover o desenvolvimento socioeconômico regional”, explica Regiane Oliveira, Diretora do Instituto Jatobás.

A pesquisa, que tem como correalização a Giallo Marketing, Cultura, Atitude+, o Instituto Locomotiva e o SEBRAE/SP, terá como instrumento um questionário e poderá ser respondido por pessoas físicas maiores de 18 anos e empresas, com fins lucrativos, localizadas nos municípios da Cuesta Paulista e atuantes nas seguintes atividades:

CULTURA
• Expressões Culturais: artesanato, folclore
• Patrimônio e Artes: serviços culturais em geral, museologia, produção cultural, patrimônio material e imaterial, serviços educacionais em arte e cultura
• Música: criação e interpretação musical, gravação, edição, mixagem de som, serviços educacionais em música
• Artes Visuais: fotografia, escultura, pintura, ilustrações, grafitti, serviços educacionais em artes visuais
• Artes Cênicas: criação, atuação, produção, direção de espetáculos de teatro, circo, dança, serviços educacionais em artes cênicas
• Agente da cadeia produtiva – arte e cultura: iluminação, cenografia, montagem e desmontagem, acessibilidade, transporte especializado, salvaguarda de patrimônio material e imaterial, outros.

MÍDIA
• Editorial: edição de livros, jornais, revistas, conteúdo digital
• Games: desenvolvimento de jogos eletrônicos
• Audiovisual: criação, desenvolvimento de conteúdo, distribuição, programação e transmissão

CONSUMO
• Arquitetura: design e projetos (edificações, cenografia, expografia), planejamento e conservação, paisagismo
• Design: gráfico, multiídia e móveis
• Moda: desenho de roupas, acessórios e calçados, modelistas
• Publicidade e Marketing: atividades de publicidade, marketing, organização de eventos, pesquisa de mercado

Ao final do processo, os resultados do Mapeamento serão apresentados aos governos locais, parceiros e todos os que responderam a pesquisa, num evento com data e local a serem definido. O Instituto Jatobás oferecerá também aos participantes da pesquisa, dois cursos gratuitos de capacitação: um em Elaboração de Projetos e o outro em Comunicação e Marketing.

Segundo Luanda Bonadio, diretora da Giallo – consultoria criativa especializada em marketing e cultura- o Mapeamento da Economia Criativa – Custa Paulista é inspirado em ações realizadas em outras regiões do Estado de São Paulo, como o Vale do Ribeira e a Serra da Mantiqueira e tem sido um tema discutido nas secretarias estaduais de Cultura e Economia Criativa, Desenvolvimento Econômico e Turismo. “Investir no diagnóstico e no desenvolvimento de estudos para gerar informação e aprofundamento das características regionais, nos permitirá conectar potencialidades, desenvolver uma estratégica conjunta que permita fomentar e gerar transformações positivas para toda a região”.

Para mais informações, acesse: www.institutojatobas.org.br/mapeamentocuesta

Projeto Lixo Mínimo: guarda mirim conscientiza população de Pardinho (SP) sobre separação de recicláveis

WhatsApp Image at

Ação programada para iniciar em dezembro pretende ressaltar a importância da participação da comunidade na separação do material reciclável

O Projeto Lixo Mínimo, iniciativa do Instituto Jatobás em parceria com a Prefeitura Municipal de Pardinho, interior de São Paulo, começa nos próximos meses mais uma etapa importante: a de conscientização da população sobre a necessidade da separação do material reciclável.

A partir de dezembro, mais de 20 jovens da guarda mirim da cidade devem visitar residências, comércio, empresas, área rural e turística para orientar a comunidade sobre o tema.

“Estes jovens serão agentes de transformação, demonstrando que a mudança no mundo começa por nós mesmos. Estamos capacitando eles para que sejam multiplicadores de consciência”, ressalta a coordenadora de Desenvolvimento Local do Instituto Jatobás, Madalena Carneiro.

Capacitação da guarda mirim

Durante outubro, os membros da guarda mirim passaram por um processo de capacitação, que deve ser finalizado até novembro. Na formação, os jovens serão orientados a abordar o público de forma correta e informar sobre a separação do material reciclável.

“Cada área da cidade precisa de um tipo diferente de comunicação. O processo de orientação em uma residência é diferente do da zona rural, que é diferente do eixo turístico e de empresas”, diz Madalena.

Orientação da população

A primeira ação da guarda mirim, programada para dezembro, será a distribuição de materiais de orientação à população. Panfletos indicarão o horário da coleta seletiva, assim como os itens que podem ou não ser separados para reciclagem.

“Nos materiais de divulgação teremos informativos sobre a separação do resíduo. Como é feita essa separação? Que resíduo eu sei que é reciclável e o que é rejeito? O que é resíduo e rejeito? Estas serão algumas das perguntas respondidas”.

Em um segundo momento, os jovens participarão de palestras nos bairros de Pardinho (SP), em reuniões comunitárias e nas escolas da cidade. Como esta etapa do projeto requer a presença física da população, a expectativa é que aconteça no próximo ano, respeitando as regras de distanciamento social.

“Além de conscientizar, vamos preparar o morador para fazer esse trabalho da divisão correta do material reciclável. Não basta conscientizar se eles não souberem fazer a separação”, diz a coordenadora de Desenvolvimento Local do Instituto Jatobás.

Após a conclusão destas etapas, haverá ainda uma revisitação nas residências, com reforço contínuo da comunicação. A ação de monitoramento dos resultados e manutenção das atividades de orientação deverão ser realizadas ao longo de 2021.

Conscientização na prática

Durante o mês de outubro, os jovens participaram de uma ação educativa da Coordenadoria do Turismo. Eles puderam discutir sobre o turismo na cidade, possibilidades, acontecimentos e perspectivas da ação. Após visitar os principais pontos e realizar um percurso de reconhecimento do local, os adolescentes fizeram um trabalho de conscientização dos turistas.

“Eles tiveram a primeira vivência, reconhecendo a importância desta ação e entendendo como funciona a sensibilização na prática”, explica Madalena.

“A ação educativa Cuide do que é nosso foi uma iniciativa para chamar atenção do turista, do dever que cada um, para com o espaço de todos, inclusive o respeito à propriedade privada”, disse Sylviah Riouls, coordenadora de Turismo de Pardinho (SP).

Projeto Lixo Mínimo

Paralelo à ação de conscientização que será realizada pela guarda mirim de Pardinho, outras etapas do Projeto Lixo Mínimo seguem com as atividades à todo vapor.

Enquanto os integrantes da cooperativa de recicladores da cidade continuam em treinamento e capacitação, o local que receberá o galpão de reciclagem segue em construção. 

“Nosso projeto com os cooperados ainda não terminou. Estamos trabalhando em conjunto com eles e enquanto isso, o galpão está sendo construindo. Agora, temos esse eixo que começou, que é a formação dos jovens como multiplicadores na comunidade para alcançarmos a meta de aumentar o resíduo reciclável em Pardinho”, finaliza.

Skip to content